quarta-feira, 29 de junho de 2011

Charges do Clássico

O Flamengo venceu o Fluminense por 4 x 1 em partida pelo
Campeonato Brasileiro.
 
  


Futebol não fica só nas 4 linhas, nada melhor do que seu time ganhar e no dia seguinte poder brincar com os amigos do time adversário, e para apimentar essa disputa a anos os jornais não deixam de lado as charges, tratando com humos e irreverência toda essa rivalidade.

   Muitos são os chargistas especializados em esportes, e trago a entrevista de Mario Alberto, chargista do Jornal o Lance para contar um pouco sobre suas criações.

   Mario começou a desenhar charges em 1994 quando inscreveu um trabalho no Salão de Humor da Casa de Cultura Laura Alvim e foi premiado com uma Menção Honrosa. Em 1997, publicou uma caricatura do Ronaldo no jornal O Dia e, logo em seguida, fui contratado para trabalhar na equipe original do Lance, onde esta desde então.

   O gosto pelo desenho na infância acabou o levando para o curso superior de Programação Visual na Escola de Belas Artes da UFRJ onde teve contato com o ilustrador e professor Rui de Oliveira, um dos maiores ilustradores do Brasil e, porque não, do mundo. “Quando tive minhas primeiras aulas com o Rui, descobri que eu poderia sim ser um desenhista profissional e logo comecei a realizar trabalhos freelancer como ilustrador para agências de publicidade e editoras” diz o ilustrador.

   Seu enfoque nem sempre foi o esporte, mas acabou sendo seu "carro chefe" profissional:

“90% do meu trabalho no Lance é voltado para o futebol que, não tem jeito, é a grande paixão esportiva nacional. Na verdade, acho a charge esportiva futebolística até mais difícil de fazer do que a charge propriamente dita, que, geralmente, é política. Na política, o público está do mesmo lado que o chargista: o da crítica ao governo e aos políticos. Na charge esportiva, temos o chargista de um lado e o público, leia-se torcedores, do outro. Um público, diga-se de passagem, tão passional quanto conservador e que, de modo geral, não gosta que se façam piadas com o próprio time, não raramente considerando essas piadas "uma falta de respeito". Além disso, pra complicar, esse público não necessariamente curte piadas com os times adversários e quer, no fundo, no fundo, que o chargista faça a "anti-charge" que seria a charge elogiando ou celebrando as vitórias do seu clube. Digo anti-charge porque a charge, por princípio, deve ser crítica em seu teor e nem todos estão preparados para rir de si mesmo, ou de seu próprio clube do coração. Mãe de chargista esportivo é que nem mãe de juiz: vive com as orelhas quentes... 
O Fla ainda não havia engrenado no Brasileiro e o Flu
também não estava em uma boa fase. Àquela altura do ano, a Copa
Sul-Americana parecia um "salva-vidas" para os dois rivais. O
Rubro-negro acabou eliminado da competição e o Tricolor perdeu a final
para a LDU

  Perguntado quanto ao clássico FlaXFlu trazer mais visibilidade as suas criações Mario nega, porém mostra toda a plasticidade visual que o clássico remete. “O Fla x Flu é um clássico ímpar entre os "clássicos ímpares" porque é um símbolo da cidade do Rio de Janeiro como o Cristo Redentor, o Pão de Açúcar, a praia de Copacabana ou o próprio Maracanã e, por isso, tem uma simbologia muito forte. Só que isso não muda muita coisa na hora de fazer uma charge. Visibilidade e impacto dependem muito mais do momento, da situação de cada clube no dia e o quanto isso pode originar uma boa charge.


   A imparcialidade na hora de criar é alcançada por uma rotina dura de trabalho e anos de criação.
 “Quando estou de plantão, estou trabalhando e tenho que fazer o meu trabalho bem-feito porque eu
não quero perder o meu emprego. Além disso, estou sempre submetido ao horário de fechamento do jornal e às tarefas darias que devo cumprir, como ilustrações para matérias e colunas, e não sobra muito tempo pra torcer. Se, na hora de um jogo, eu ficar torcendo e me deixando levar pelas emoções ao invés de desenhar, não terei concentração para fazer um bom trabalho e, muito menos, irei conseguir entregar alguma charge apresentável até o meu horário limite de todos os dias. Curiosamente, depois de quatorze anos de charges esportivas, é cada vez mais natural para mim levar para as minhas horas de lazer essa tranqüilidade na forma de encarar os resultados dos jogos. Continuo sendo um torcedor fanático e me divirto bastante quando estou vendo um jogo como torcedor, mas acabado o jogo, durmo tranqüilo tanto na derrota quanto na vitória.

PM: _Foram muitos clássicos marcantes do Fla X Flu, gol de barriga do Renato, jogo da lagoa, algum foi mais marcante para você e suas criações?

MA: Quando comecei a trabalhar no Lance em 1997, o gol de barriga já tinha mais de "dois anos de idade" e, na verdade, esse foi o último Fla x Flu realmente marcante e decisivo até os dias de hoje. Depois disso, os dois clubes não se encontraram mais em uma decisão de fato. A partir do próprio ano de 1997, o Fluminense começou a viver a sua fase de rebaixamentos, o que fez com que vários Fla x Flus deixassem de ocorrer. Depois disso, o Flamengo emendou seguidas decisões estaduais contra Vasco e Botafogo e as únicas duas decisões de cariocas em que o Fluminense esteve presente foram contra Americano (2002) e Volta Redonda (2005). O Fla ganhou a Copa do Brasil de 2006 em cima do Vasco, o Flu levou a de 2007 sobre o Figueirense. A final da Libertadores de 2008 foi Flu X LDU. Os Brasileiros de 2009 e 2010 não tiveram final... Ou seja, Fla e Flu não se encontraram em jogos finais nas últimas grandes conquistas (ou grandes derrotas) de ambos e, em  um jogo tão especial como esse, acredito que isso seja um fator muito importante para gerar algum desenho marcante envolvendo os dois times na mesma charge.


Fla x Flu no domingo de Páscoa.
 PM: _ acredita que a charge desempenha um papel importante para aumentar a rivalidade do clássico e sua importância?
 
MA: Eu espero que nunca uma charge minha sirva para aumentar não só a rivalidade entre Flamengo e Fluminense, mas qualquer outra rivalidade. Pelo contrário, prefiro pensar que através do humor eu consiga fazer o torcedor perceber o quanto podem ser divertidas e engraçadas tudo o que envolve o futebol. Já temos rivalidade e violência demais para eu desejar que o meu trabalho aumente isso de qualquer forma que seja. Torcedor tem que torcer, tem que gritar, tem que comemorar a vitória e chorar a derrota, mas, após o jogo, seria muito mais legal se todo mundo saísse dali pra tomar um chopp junto e rir de todo esse "drama"... Eu, de minha parte, terei atingido o meu objetivo se as minhas charges ajudarem de alguma forma as pessoas a verem as coisas desse jeito.

PM: _Algum ídolo deste clássico ficou imortalizado em suas criações?

MA: Não sei se imortalizado seria o termo, mas ambas as torcidas já fizeram
bandeiras com desenhos meus, o que dá uma dimensão diferente para os
meus trabalhos.

No fim do ano passado, a torcida do Fluminense levou para o último jogo
do Campeonato Brasileiro um bandeirão com uma charge que fiz do Conca.
(anexo 20101030.jpg)

Link para o vídeo dessa matéria:
http://www.youtube.com/watch?v=VUS58juXgXQ (O bandeirão do Conca aparece
em 1:05)

No lado rubro-negro, desde 2007, a torcida organizada Urubuzada leva pros estádios uma bandeira com as caricaturas dos jogadores do time campeão mundial em 1981 (20061213.jpg)

Paula Morgado

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Virou a casaca!


Homem trajando a casaca
     É comum a “dança” de jogadores no futebol. Mas antes de falar de futebol, um pouco de história mundial. A casaca é um traje de gala masculino(foto) criado na França no século 17. O termo virar a casaca surgiu aproximadamente na monarquia de Carlos Manoel III, que em 1720 tornou-se o Rei da Sardenha (Ilha italiana). O rei costumava fazer festas e banquetes em homenagem a seus aliados nas guerras territoriais como a França, a Áustria, a Itália e principalmente para Inglaterra, o maior poder bélico da época. Mas como todos os países eram inimigos entre si, cada baile que o rei organizava as cores do país convidado era usado, inclusive na casaca real. Com isso surgiu o termo virar a casaca, pois o rei tinha um traje de cada cor para agradar seus aliados momentâneos. Foi com essa inteligência misturada com bajulação que o rei Carlos Manoel III ficou quase cinquenta anos no poder conseguindo promover reformas judiciárias, financeiras, territoriais e melhorias para seu povo.

     Voltando ao futebol, o jogador, técnico, dirigente, qualquer pessoa que saia de um clube e para trabalhar em outro estará virando a casaca se os clubes forem grandes rivais, em suas maiorias regionais (ex: Flamengo e Fluminense), algumas nacionais (ex: Flamengo e Sport) e até internacionais (ex: Fluminense e LDU). Então como em toda grande rivalidade ter uma boa história é indispensável para que esse duelo seja considerado um clássico.

Leo Moura e Juan
     Focando nos vira casacas de Flamengo e Fluminense temos jogadores de todas as posições que conseguiríamos formar uma seleção. Jogadores que se consagraram nos dois clubes, alguns em apenas um e outros que não se firmaram em nenhum. No futebol atual temos alguns exemplos como Leonardo Moura, que começou no Botafogo e jogou algumas temporadas por Fluminense e Vasco antes de se estabilizar na lateral direita do Flamengo e Juan que começou nas Laranjeiras e depois foi se estabilizar na Gávea.


Diego Souza e Emerson Sheik

     Emerson Albuquerque (Sheik) não é querido por nenhuma das duas torcidas, pois quando chegou à gávea, clube que dizia torcer desde criança, beijou escudo e prometendo amores e flores, mas não resistiu à proposta do mundo Árabe. Na sua volta foi para o Fluminense, desagradando à torcida rubro negra. Mesmo marcando o gol do título tricolor que amargurava uma espera de vinte e seis anos pelo Campeonato Brasileiro, as desconfianças continuaram, e por uma confusão mal explicada o jogador foi dispensado. Atualmente busca sua redenção no futebol nacional no Corinthians. Historia parecida com a do jogador Diego Souza que por sua irregularidade nunca foi uma unanimidade nas duas bandeiras.

Edmundo e Romário
     Romário um dos maiores gênios de todos os tempos na pequena área jogou nos dois clubes também. Um jogador que é campeão mundial com a seleção brasileira, jogando o futebol que ele jogou, não pode ser sacrificado por nenhuma torcida e não foi, pois sempre correspondeu em campo todo fanatismo da torcida. Junto com Edmundo, Romário formou o ataque “Bad Boy”, devido à má fama dos dois jogadores dentro e fora dos campos na época do Flamengo. Ataque repedido mais duas vezes no Fluminense e no Vasco da Gama.

Pelé e Zico

     Uma das curiosidades desse confronto é que o Rei do futebol, Pelé, vestiu as duas camisas. Consagrado no Santos, Pelé disputou alguns amistosos pelo Flamengo e pelo Fluminense. Outros grandes jogadores que ficaram na história do futebol também que também defenderam esses dois grandes times foram Carlos Alberto Torres, Claudio Adão, Paulo Cesar Caju, Moisés, Gerson e Renato Gaúcho.

Joel Santana

     Outro grande feito é de Joel Santana que foi campeão carioca com todos os quatro grandes times do Rio de janeiro. Joel foi campeão com o Fla em 96 e 2008 e com o Flu em 95. Mas Joel não está sozinho, Zagallo e Abel também já foram campeões com as duas equipes como treinador.
Abaixo alguns nomes de jogadores que viraram a casaca:

- Andrei (Fluminense, Botafogo e Flamengo).

Carlos Alberto Torres
- Caio Ribeiro (Fluminense, Botafogo e Flamengo).

- Cocada (Fluminense, Flamengo e Vasco).

- Djair (Fluminense, Botafogo e Flamengo)

- Fabiano Eller (Fluminense, Flamengo e Vasco).

- Felipe (Fluminense, Flamengo e Vasco).

- Jean (Fluminense, Flamengo e Vasco).

- Jorginho (Fluminense, Flamengo e Vasco).

- Mário Sérgio (Fluminense, Botafogo e Flamengo).

Jorginho

- Nunes (Fluminense, Botafogo e Flamengo).

- Petkovic (Fluminense, Flamengo e Vasco).

- Renato Silva (Fluminense, Botafogo e Flamengo).

- Ricardo Rocha (Fluminense, Flamengo e Vasco).

- Rodrigues Neto (Fluminense, Botafogo e Flamengo).

- William César de Oliveira (Fluminense, Flamengo e Vasco).

- Wilson Gotardo (Fluminense, Botafogo e Flamengo).

Petkovic

- Yan (Fluminense, Flamengo e Vasco).

- Zé Mário (Fluminense, Flamengo e Vasco).





Aluno
Ruyter dos Santos





terça-feira, 14 de junho de 2011

Canções







Falar em futebol sem lembrar-se das torcidas é algo impossível. Os clássicos não teriam a mesma emoção se não tivesse apoio e as canções dos torcedores. As músicas com sua irreverência e seu teor provocativo animam a torcida e motivam os jogadores em campo.


Falando de músicas do clássico FLAXFLU, não podemos esquecer a paródia da música Uísque à Go-go feita pelos torcedores do Fluminense que além de motivar o time, provoca a torcida do Flamengo. “Vou para o Maraca ver meu Fluminense/ Torcida deles não tem nenhum dente./ Vamos vencer/ Ganhar FlaxFlu é normal.”

O lado rubro negro não deixa barato e também cria suas músicas provocativas ao rival Fluminense, sempre insinuando a torcida tricolor como simpatizante do homossexualismo. “ Que palhaçada/ esse pó de arroz/ tricolor vi***/ passa maquiagem/ e da o c* depois”

Se tratando do maior clássico do Rio de Janeiro, a provocação entre as torcidas não pode faltar.


Um dos cantos mais conhecidos e cantados de todos os tempos é o “dança da bundinha”, a torcida do Fluminense canta animadamente para implicar com o time rival: “Dança, dança, dança da bundinha no Maracanã urubu virou galinha”. A música ficou tão conhecida que as outras torcidas rivais do Flamengo também a adotaram.

Como é comum entre as torcidas, são as provocações acerca da perda ou ganho de títulos, a torcida do Flamengo em um ano que se classificou para a Copa Libertadores da América criou uma música para exaltar a não classificação do Fluminense. “Chora tricolor/ o sonho acabou/ Libertadores sou quem vou.”

Quando seu time ganha de seu maior rival, a primeira coisa que o torcedor faz além de comemorar a vitória é aborrecer os amigos torcedores do outro time com piadinhas sobre a partida. Quando se trata da derrota do Flamengo, os tricolores cantam para o seu adversário: “Favela, favela, favela, silêncio na favela”.

E se tratando de derrota do Fluminense, como todas as torcidas rivais, o Flamengo segue com insinuações ao homossexualismo, mas coisas ao ver de quem ama o futebol, totalmente saudáveis ao mesmo. “Todo vi*** que eu conheço é tricolor”

A paródias de grandes sucessos é parte fundamental da festa, o tricolor carioca criou uma versão bem humorada do clássico “La Bamba” para implicar com os outros times cariocas, e claro com o Flamengo. A música se chama “Eu não sou rubro-negro” e é muito ouvida no FLAXFLU.

Eu não sou rubro-negro,

Eu não sou rubro-negro,

Eu não sou ladrão,

Não sou ladrão, não sou ladrão!

Dá-lhe Nense, dá-lhe Nense,

dá-lhe Nense,

Eu não sou vascaíno,

Eu não sou vascaíno,

Eu não vendo pão,

Não vendo pão, não vendo pão!

Dá-lhe Nense, dá-lhe Nense,

dá-lhe Nense,

Eu não sou Botafogo,

Eu não sou Botafogo,

Eu não sou chorão,

Não sou chorão, não sou chorão!


Como o jogo não termina para nenhum dos dois lados, a torcida do Flamengo também criou um letra para provocar os seus rivais.

“Poderíamos ser botafoguense, mas chega de crise na minha vida.

Poderíamos ser vascaínos, mas não me contento com o segundo, podendo ser o primeiro.

Nós poderíamos ser tricolor, mas gosto de estádio cheio e nada de via***.

Nós poderíamos não ser Rubro-Negros, mas esses certamente não Seriam NÓS!”


O importante mesmo é a exaltação dos times, o lado mais bonito do torcedor é o amor pelo próprio time. As torcidas do Flamengo e do Fluminense cumprem seu papel de torcedor leal e que acima de tudo vão aos estádios para apoiar seu clube.

Quem vai às arquibancadas tricolores irá ouvir diversas músicas de incentivo ao time. Como o “Horto Mágico”: “Sou/ Sou tricolor/ Sou tricolor de coração/ Vim ver o Flu/ Meu grande amor/ Graças a Deus sou Tricolor/ Vamos Fluzão/ Vamos ganhar/ Eu sou do clube 30 vezes campeão/ Vim para torcer/ Vim para gritar/ E por você a vida inteira eu vou cantar.” e Meu Tricolor Amo Você, paródia da canção Anunciação de Alceu Valença: “Eu vou cantar essa paixão que vem de dentro um sentimento verde, branco e grená. Camisa tricolor e a bandeira ao vento. Meu Fluminense, vim aqui para te apoiar. Olê, Olê, meu tricolor, amo você.”

Em ambiente rubro negro, todos sempre gritam com orgulho a famosa “Mengão do meu coração” que marcou a torcida flamenguista nos últimos tempos.

Mengo!

Estou sempre contigo

Somos uma nação

Não importa onde esteja

Sempre estarei contigo

Com meu manto sagrado

Minha bandeira na mão

O Maraca é nosso

Vai começar a festa!

Dá-lhe, Dá-lhe, Dá-lhe, Eô

Mengão do meu coração

Dá-lhe, Dá-lhe, Dá-lhe, Eô

Mengão do meu coração


O que importa realmente, independente de todas as provocações de ambos os lados, é que essa brincadeira, divertida e saudável não pare, pelo bem do futebol, e para não se levar tão a sério o futebol, como alguns pretendem levar.

Marcado em dose dupla

O que acontece quando se num fla x flu existe um jogador para marcar história? E o


que acontece se esse jogador apresentar a façanha de marcar história nos dois clubes?

É exatamente o caso do polêmico, mas artilheiro Renato Portalupe, o popular Renato

Gaúcho.

Não se pode negar, o marco de Renato envolvendo os dois times, foi o seu gol de

barriga num carioca decisivo contra o Flamengo em 1995, atuando pelo tricolor das

laranjeiras, fato que o fez ser odiado até hoje por muitos flamenguistas. Como a vida da

voltas, não é mesmo? Se voltarmos para o ano de 1987, anotaremos que o Flamengo foi

campeão do nacional do ano, batizado de “Copa União”, e quem estava presente como

um dos principais nomes do time rubro-negro? Ele mesmo ! Renato Gaúcho, era um

dos representantes do time campeão daquele ano, onde se consagrou e honrou o manto

sagrado.

Como se vê em vários casos, jogadores são capazes de despertar o amor e ódio de sua

torcida, querendo ou não, são profissionais e dentro do padrão do mercado da bola,

estão sujeitos a vestirem diferentes camisas, mas como é nítido, a torcida nunca vai ter

nada a ver com isso, são todos eles somente pelo clube e por quem for sempre capaz de

amá-lo e respeita-lo.

O vigésimo Fla x Flu

Dizem que imagens podem valer do que muitas palavras. Nesses quase 100 anos do clássico muito foi fotografado, mas pouco registrado das disputas no início do século passado. Há um vídeo histórico do vigésimo Fla x Flu disputado em 21 de dezembro de 1919. O jogo valeu pela penúltima rodada do Campeonato Carioca daquele ano. O Fluminense venceu por 4 a 0 e garantiu o tricampeonato carioca. Marcaram Machado (dois), Welfare e Bacchi.

Clique e assista trechos do jogo

Marcelle Jannuzzi e Luiz Murillo Tobias

GIRO PELO MUNDO

Com toda a história do clássico Fla x Flu e tudo o que o mesmo representa na história do futebol, faz-se interessante também tratar de outros clássicos importantes do futebol mundial. Clássicos esses, que surgiram de situações de confronto étnico, político, religioso, entre outros.

Usarei esse espaço para escrever sobre dois clássicos que englobam tudo isso: o clássico escocês Celtic x Rangers e o clássico sérvio Partizan Belgrado x Estrela Vermelha.


Celtic x Rangers:

Para entendermos um pouco dessa rivalidade, precisamos remontar à metade do século XIX. Por volta de 1850, a Irlanda, país vizinho da Escócia, foi assolada por uma praga na plantação de batatas, principal alimento do povo irlandês e um dos mais importantes produtos de exportação do país. Essa praga fez com que 1 milhão de irlandeses do mundo inteiro morressem de fome em menos de 20 anos e outros tantos milhões emigrassem para o mundo inteiro. Muitos desses, os que não tinham dinheiro para pagar viagens até a América, emigraram para a Escócia, sendo considerados pelos escoceses a escória da escória. Todos muito pobres e muito católicos, dispostos a fazer de tudo para melhorar de vida, inclusive roubar e matar.

Diante desse quadro, um padre irlandês chamado Walfrid teve a brilhante ideia de utilizar aquela gente toda para um fim mais nobre: o futebol. Reuniu seus paroquianos mais habilidosos e fundou, em 1887, o Celtic Football Club. O nome lembrava os antigos habitantes da Irlanda - os celtas - e o distintivo do clube, um trevo de quatro folhas, símbolo irlândes para a Cruz de Cristo, homenageava a igreja católica. As cores do uniforme , verde e branco, eram as mesmas cores da bandeira Irlandesa.

Entretanto, Glasgow era uma cidade pequena demais para dois clubes, ainda mais para dois clubes de religiôes diferentes, tendo em vista que, 15 anos antes da fundação do Celtic, em 1872, jovens estudantes de Glasgow, fundaram seu clube, o Rangers Football Club, até então o único clube escocês com alguma projeção no Reino Unido. Seus fãs eram, naturalmente, protestantes. A ascensão de um clube formado por irlandeses pé-rapados e, o pior de tudo, católicos, era uma afronta as pretensoes daquele clube cuja camiseta tinha as cores da bandeira britânica - azul, vermelha e branca. Os jogos entre Ranges x Celtic atraiam públicos de 30 mil pessoas, ainda no final do séclo XIX e início do XX, fato incomum em jogos de futebo, na época. Eram 30 mil torcedores dispostos a brigar. Confrontos e mortes foram registrados já no século XIX entre torcedores de ambos os clubes. Quando a Irlanda se tornou um Estado livre, em 1922, a situação entre os dois clubes ficou ainda pior, pois além de católicos e pobres, os irlandeses passaram a ser oficialmente estrangeiros; e estrangeiros indesejáveis, perseguidos pela polícia, caçados por protestantes depois dos jogos, acusados de terrorismo e ligação com o IRA(Irish Republican Army), o que não deixa de ser verdadeiro até certo ponto, tendo em vista que até hoje bandeiras do grupo terrorista são vistas no estádio do Celtic. Por outro lado, são comuns no estádio do Rangers bandeiras do Reino Unido e da Rainha Elizabeth.

Assim fica consolidada a rivalidade: O Celtic é o time dos católicos - isto é, dos irlandeses, pró-IRA e para muitos, pró-independência da Escócia em relação a Londres. O Rangers é o time dos protestantes - isto é, dos britânicos, pró-permanência inglesa no Ulster, pró-unificação, enfim, pró-Império.

Os números do clássico dão vantagem ao Rangers: desde 1888 são 549 jogos, com 235 vitórias do Rangers, 179 do Celtic e 135 empates. O Rangers também possui mais títulos escoceses e uma torcida ligeiramente maior.






Partizan Belgrado x Estrela Vermelha:

Conhecido como "O clássico eterno" Partizan Belgrado e Estrela Vermelha protagonizam um dos maiores clássicos do futebol mundial. A rivalidade entre as duas equipes vai muito além do fato de serem os maiores clubes de Belgrado. O clássico eterno, como é chamado, costuma propocionar pesadas cenas de violência.

Durante a Segunda Guerra mundial, o Exército Popular da Iugoslávia era chamado de Partisan. Após o fim do conflito, os militares fundaram o FK Partizan, enquanto o partido Comunista do país fundou o Estrela Vermelha de Belgrado. Suas torcidas ainda possuem caracteristicas de fundação dos clubes.

Os coveiros, como é chamada a torcida do Partizan, são conhecidos pelos atos de nacionalismo, chegando a vaiar até jogadores estrangeiros. Durante a década de 90, tentaram impor no clube a proibição de atletas estrangeiros para que não pudessem atuar no time, mas não obtiveram sucesso. Já a torcida alvi-rubra, ou os Ciganos, é conhecida por ser de extrema-esquerda.

As partidas entre os dois clubes são verdadeiras guerras, dentro e fora de campo. Em 1999, um torcedor do Estrela foi morto por um fogo de artíficio da torcida do Partizan. Dias depois, os coveiros foram tirar satisfações sobre o ocorrido, o que acabou se tornando uma pancadaria, levando outros sete torcedores a morte. Também é comum durante os clássico uma das torcidas quebrar e atear fogo nas cadeiras do estádio do time rival.

Quando se fala em títulos, a disputa é equilibrada, com o Partizan tendo 23 títulos nacionais e o Estrela Vermelha com 25. Porém, a equipe esquerdista possui o título da Champions League e do Mundial Interclubes, ambos em 1991. A equipe campeã, tinha jogadores de nome, como o artilheiro Stojkovic e o jovem meia Petkovic, com 19 anos.




O CLUBE MODELO

A Taça Olímpica foi atribuida ao Fluminense no ano de 1949, pelo Comitê Olímpico Internacional, por ter sido o clube um modelo de organização desportiva para todo o mundo.




Somente o Fluminense como clube poliesportivo possui esse título, fato que o torna único no cenário mundial nesse quesito, dividindo a honraria com países, federações esportivas e comitês olímpicos, entre outros.

O Fluminense enviou, em 1924, farta documentação ao COI, inclusive sobre a realização dos Jogos Latino-americanos de 1922 em suas instalações, visando a conquista desse prêmio, que é tido como o Prêmio Nobel do esporte.

Um ídolo de dois gigantes do futebol brasileiro

Ser ídolo de uma torcida no futebol brasileiro já é uma honra para qualquer jogador, imagina ser de vários. Esta façanha foi alcançada por Renato Portaluppi, ou simplesmente, Renato Gaúcho, que além de ídolo incontestável do Grêmio, onde conquistou o Mundial de 1983, também fez história e é idolatrado pelas torcidas de Flamengo e Fluminense: um feito para poucos jogadores. Atualmente técnico do Grêmio, Renato teve brilhantes passagens pela dupla carioca Fla-Flu, vencendo campeonatos que são lembrados até hoje e que são de grande importância para ambas as equipes.

O jogador conquistou pelo Flamengo o Campeonato Brasileiro de 1987, derrotando na final o Internacional de Porto Alegre, além da Copa do Brasil de 1990, após vencer o Goías. Pelo Fluminense, o jogador conquistou um dos títulos mais marcantes para os tricolores. Em 1995, acontecia a final do Campeonato Carioca, por coincidência ou por pura obra do acaso, era um Fla-Flu, o Flamengo vencia até o fim da partida, quando Renato Gaúcho, de barriga, fez o gol da vitória tricolor, no ano do centenário do Rubro-Negro. Após este jogo, muitos torcedores do Flamengo criaram uma certa raiva do jogador, que era tratado como ídolo no clube. Porém, a grande maioria da Nação rubro-negra não dá muita importância para este jogo e entende que a mudança de clubes faz parte do mundo do futebol, e continua o tratando como um ídolo, afinal, Renato deu dois títulos nacionais ao clube.

Como técnico, Renato já treinou o Fluminense em algumas ocasiões, vencendo inclusive, a Copa do Brasil de 2007. Porém, o Rubro-Negro ainda não foi comandado por ele.
Para o repórter Emerson Silva, do Jornal MAIS, do grupo Lance!, Renato Gaúcho marcou época, e devido à sua personalidade conseguiu conquistar diversas torcidas, inclusive a de Flamengo e Fluminense.
- Acho que o Renato era um jogador fantástico e sabia como poucos promover um jogo, um clássico e até um campeonato. Fazia gols e tinha muita velocidade. Além disso, jogava para o  time também. Jogou em alto nível até o final da carreira e decidiu muitos jogos. Muitas torcidas são gratas ao Renato – declarou.

O ressurgimento do futebol carioca no cenário nacional

A dupla mais famosa do futebol brasileiro é grande responsável pelo ressurgimento do futebol carioca em cenário nacional. Intitulado como o mais charmoso dos estaduais, o Campeonato Carioca é menosprezado por muitas atletas e jornalistas de outros estados, que alegam o baixo nível técnico perante aos outros regionais, como um fator importante para o “menosprezo”.  Porém, o futebol do Rio de Janeiro mostrou toda sua força e tradição ao vencer os dois últimos Campeonatos Brasileiros. Em 2009, o Flamengo sagrou-se campeão ao vencer o Grêmio por 2 a 1 em um maracanã lotado e voltando ao topo do futebol brasileiro, conquistando assim, o Hexacampeonato. No ano seguinte, foi a vez do Tricolor carioca, que chegou ao Tricampeonato após vencer o Guarani por 1 a 0, em uma bela festa no Engenhão. Não podemos deixar de fora o Vasco, que venceu a Copa do Brasil este ano e contribuiu para o futebol do Rio de Janeiro ganhar mais força. Desde 2006, Vasco, Flamengo e Fluminense venceram a Copa do Brasil, cada um em uma oportunidade.

A frequente participação da dupla Fla-Flu nas últimas edições de Libertadores da América também é um fator importante, pois projeta o clube em um cenário além do brasileiro, ganhando olhares dos clubes sul-americanos e até os da Europa, que estão ligados na competição, visto que o vencedor, pode enfrentar o ganhador da Liga dos Campeões da Europa, em um Mundial, disputado no fim do ano.

Para o jornalista Roberto Murad, que cobre o Flamengo pelo jornal “Lance!”, estes títulos, somados com a reforma do Maracanã para a Copa de 2014 fazem do futebol carioca mais forte ainda.
- Estes títulos mostram que o futebol carioca está ressurgindo como uma potência. Os dois (Flamengo e Fluminense) são vistos novamente como candidatos ao título e a tendência é que seja mais notório esse crescimento até a Copa do Mundo, pois ainda vão ganhar a força de um Maracanã reformado – destacou.
Para ele, o Fla-Flu é o maior clássico do Brasil, citando ainda a paixão de Nelson Rodrigues pelas duas equipes.

- É o maior clássico do Rio e possivelmente do Brasil por tudo que ele representa há quase cem anos. Um clube que originou o time de futebol do outro e mesmo assim se tornaram grandes rivais. As crônicas de Nelson Rodrigues demonstram bem a importância e a dramaticidade de um Fla-Flu – concluiu.



Por: Pablo Chaves

segunda-feira, 13 de junho de 2011

O “Fla” surgiu do “Flu”?

No ano de 1911, o Fluminense estava muito bem no campeonato carioca, e conseguiu a grande proeza de derrotar todas as equipes adversárias nos dois turnos.


Porém, enquanto nos gramados tudo corria perfeitamente, na organização interna do time vários problemas surgiam. No dia 21 de setembro desse mesmo ano, após uma reunião na Rua do Catete, nove jogadores do Fluminense, liderados por Alberto Borgerth, decidiram que iriam abandonar o clube após o campeonato.

Revoltados com a diretoria, os rebeldes deserdaram-se do clube e fundaram o Departamento de Futebol e Esportes Terrestres do Flamengo, que era apenas um clube de regatas, esporte muito popular no final do século XIX.

Então, de uma hora para outra, o Flu perdia 9 dos 11 jogadores do time campeão de 1911, só tendo permanecido no clube, da equipe titular, Oswaldo Gomes e James Calvert.

Em sua estréia no campeonato de 1912, o Flamengo goleou o Mangueira pelos incríveis 16 a 2. Muitos torcedores do Fluminense migraram para o novo time, principalmente para acompanharem os ídolos e campeões estaduais.

No mesmo ano, aconteceu o primeiro Fla-Flu da história, que tinha o recém-criado Flamengo como favorito, pois contava com os craques vitoriosos do campeonato do ano anterior. Contrariando todas as expectativas, a partida deu vitória ao Flu, por 3 a 2.

  
   Fluminense: campeão invicto do campeonato carioca de 1911
   Em cima: Píndaro, Baena e Neri.
   No meio: Orlando, Lawrence, Amarante e Galo.
   Em baixo: Oswaldo Gomes, Alberto Borgerth, Gustavo e James Calvert





Por: Michele Campos         

Flamengo x Fluminense - Anos 20



No dia 21 de dezembro de 1919 – Resultado do Jogo - Fluminense 4x0 Flamengo - Estádio das Laranjeiras - Penúltima rodada do 2º turno - Os gols foram de Machado (1º tempo) - Welfare, Bacchi e Machado (2º tempo).

O Flu jogou com: Marcos de Mendonça, Vidal, Othelo, Laís, Osvaldo Gomes e Fortes; Mano, Zezé, Welfare, Machado e Bacchi ; O Fla jogou com: Lapport, Píndaro e Telefone; Japonês, Sisson e Dino; Carregal, Candiota, Pereira Lima, Sidney Pullen e Junqueira.

Naquela época, em que a aristrocacia reinava o Fluminense no Rio era o mais forte.

Assista o filme e terá uma ideia de como o futebol era praticado naquela época.




Postado por Eliete Melo Araripe Ramos, 13/06/2011

Não existe só o Flamengo da Gávea

Não é só o famoso Flamengo da Gávea que possui essa denominação, existem outros clubes espalhados pelo Brasil que também possuem esse mesmo nome.


Em Guarulhos –SP, a Associação Atlética Flamengo tem a raça, o símbolo e o nome igual, porém existem uma diferença em relação aos mascotes, ao invés do famoso urubu, do time carioca, foi usado o corvo como mascote.

Temos o Flamengo Esporte Clube, clube já extinto da cidade de Varginha localizado no estado Minas Gerais que teve seu estádio desativado em 1993.

O Flamengo Esporte Clube de Arcoverde, localizado na cidade de Arcoverde, no estado de Pernambuco, é conhecido como tigre do sertão.

O Sport Club flamengo do Piauí que antes era Esporte Clube Flamengo, tem como mascote a raposa, mas no fim do século XX, foi defendido por uma minoria o Leão em homenagem ao senador “Leão” e por causa da estatua presente no Pirajá, antigo local de treinos do rubro negro

E como existem vários com essa mesma denominação, segue a listagem:

- Associação Beneficente Esportiva Flamengo — clube de futebol amador de Curitiba, no Paraná

- Clube Atlético Flamengo — clube de futebol de Araçatuba, São Paulo

- Esporte Clube Flamengo — clube de futebol de Franco da Rocha, São Paulo

- Flamengo Atlético Clube — clube de futebol de Barra Bonita, São Paulo

- Flamengo Esporte Clube — clube de futebol de Divinópolis, Minas Gerais

- Flamengo Esporte Clube (Paraná) — clube de futebol de Curitiba, Paraná

- Flamengo Esporte Clube de Arcoverde — clube de futebol de Arcoverde, Pernambuco

- Flamengo Futebol Clube (Ilhéus) — clube de futebol de Ilhéus, Bahia

- Flamengo Futebol Clube (Conselheiro Lafaiete) — Conselheiro Lafaiete, Minas Gerais

- Flamengo Futebol Clube (Olinda) — clube de futebol de Olinda, Pernambuco

- Flamengo Futebol Clube (Americana) — clube de futebol de Americana, São Paulo

- Flamengo Futebol Clube (Pirajuí) — clube de futebol de Pirajuí, São Paulo

- Sociedade Esportiva e Cultural Flamengo — clube de futebol amador de Bento Gonçalves, Rio Grande do Sul

- Sociedade Esportiva Flamengo — clube de futebol de Horizontina, Rio Grande do Sul

- Sport Club Flamengo — clube de futebol extinto do Recife, Pernambuco

 
Por Caroline Navega

FLAFLU - TAMBÉM É FUTEBOL DE MESA

Uma curiosidade sobre a palavra “ FlaFlu”, O mais interessante, que não é aqui no Rio de Janeiro e sim no Rio Grande do Sul, onde é chamado o Futebol de Mesa. Popularmente conhecido como totó, pebolim entre outros, mas no Rio Grande do Sul chama-se de FlaFlu ou Pacau.

Em 1936 durante a Guerra Civil Espanhola o galego Alexandre Finisterre foi ferido e internado num hospital, em Monserrat onde tinha muitas crianças feridas sem a possibilidade de jogar futebol, ele se inspirou no tênis de mesa e criou o futebol de mesa.

A invenção foi patenteada em 1937, mas após escapar do fascismo na França, Finisterre perdeu os papéis da patente. Depois de ter sido exilado para a América do Sul, introduziu algumas alterações, como as barras de aço, e divulgou o jogo pelo continente.

O jogo rapidamente divulgou-se pela Europa. Contudo, essa versão da origem do futebol de mesa é contestada pelos alemães, que garantem que o jogo foi criado por Broto Wachter, que teria comercializado uma mesa de futebol já em 1930. A diferença é que todos os objetos eram de madeira, incluindo as barras, e os "jogadores" não tinham forma de bonecos, sendo pequenos triângulos.


Hoje em dia, o futebol de mesa é muito popular e as mesas mais modernas possuem barras de titânio, bonecos de plástico e até placar eletrônico, alem de craques que fazem jogadas que nos fazem pensar.



 
Poatado por Eliete Melo Araripe Ramos, em 13/06/2011

A ORIGEM DA SIGLA FLA-FLU

A origem da sigla FLA-FLU surgiu em 1925, por conta do campeonato brasileiro de seleções, onde o Rio de Janeiro foi representado por jogadores apenas de Flamengo e Fluminense (conforme mostra a foto abaixo, com a reportagem do jornal "O Jornal" de 09/10/1925). A imprensa paulista, para desdenhar da seleção carioca, dizia que o combinado FLA-FLU (no sentido pejorativo) não ganharia o campeonato brasileiro daquele ano. Porém, a seleção carioca venceu a paulista e conquistou o título. Sendo assim, o jornalista Mário Filho (irmão de Nelson Rodrigues, autor de outra máxima sobre o clássico a de que "O FlaxFlu nasceu 45 minutos antes do nada") resolveu adotar o nome antes pejorativo para batizar o clássico mais tradicional do Brasil.
Na foto abaixo Mário Filho (que batizou o Fla x Flu ) à esquerda e Ary Barroso ( Radialista rubro-negro fanático dono de uma gaitinha que tocava alucinadamente a cada gol rubro-negro na década 40 e que "batizou" a primeira torcida organizada do Brasil,  A Charanga Rubro-Negra de Jaime de Carvalho) à direita.


Abaixo, o jornal " O JORNAL" de 09/10/1925 com a reportagem e a escalação dos jogadores da seleção carioca para decisão do campeonato brasileiro de seleções, que viria a ser  o motivo do batismo do clássico  FLA x FLU

Postado por Eliete Melo Araripe Ramos, em 13/06/2011

sábado, 11 de junho de 2011

FLA X FLU TAMBÉM É INSPIRAÇÃO PARA SAMBA!


Arlindo Domingos da Cruz Filho, conhecido popularmente como Arlindo Cruz, é um cantor de samba conhecido internacionalmente. Nasceu em setembro de 1958 (52 anos)e ficou marcado por participar do grupo Fundo de Quintal, um dos maiores conjuntos de samba da história. Mas pouca gente sabe é que Arlindo já homenageou o Fla x Flu em uma música.
Arlindo compôs a música intitulada de “Fla X Flu”. Um samba que mostra bem o jeito carioca de ser, com comparações divertidas e bem divertida.
O sambista sobre a música em questão: “ A música não é muito conhecida. Estou querendo fazer outro, mais popular, para a galera cantar. Vamos ver...”
Você pode conferir abaixo a letra da música e uma interpretação na voz de Alcione.

Fla X Flu
Composição: Arlindo Cruz e Franco 

Abri Meu Domingo numa cerva lá no bar do Edú
Tira gosto de moela pra lembrar da minha dor
Eu pensava na Guiomar para ser o meu meia amador
Nosso amor era um Maracanã em dia de Fla X Flu
Pra começar me dava bola o tempo todo sem parar
Me deixava louco para cruzar
toma lá dá cá
Matava no peito, descia pra coxa, tocava no meio voleio e gol
O jogo só podia empatar
Pois é
Tava muito mais para urubu do que pra pó de arroz
Tava 2X2, mas no final você me atrasou
Convocando a linha burra
Me parou, me derrubou
Foi dizendo que a "Guiõ"
Comigo sempre pichotou
Ai eu ti fiz de juiz, apontei teu nariz e xinguei tua mãe
O coro da turma da geral atenta repetiu
Te peguei de primeira te dando rasteira
Rachei só pra dividir
A galera gritou Uf!
É foi só porrada, foi só garrafada
A arquibancada ficou à Bangu
Acabei em cana num Fla X Flu
Pois é ...


Por: Erick Gurgel